Combate ao Aedes aegypti: prevenção e controle
22 de Novembro de 2018, 13:50

Preven%c3%a7%c3%a3o

Prevenir é a melhor forma de evitar as Arboviroses, como dengue, zika, chikungunya e febre amarela. Evitar a proliferação do Aedes aegypti é uma responsabilidade não somente dos órgãos públicos, mas principalmente de toda população. De acordo com o Ministério da Saúde a maior parte dos focos está nos domicílios. Medidas de Combate para eliminar os criadouros e evitar a reprodução do mosquito são de fundamental importância, responsabilidade e cidadania.

Segundo o Instituto Oswaldo Cruz, o mosquito Aedes aegypti deposita seus ovos preferencialmente em águas limpas, mas não necessariamente potável. As larvas não conseguem sobreviver em reservatórios poluídos, com dejetos e muita matéria orgânica.

Em condições ambientais favoráveis, após a eclosão do ovo, o desenvolvimento do mosquito até a forma adulta pode levar um período de 10 a 15 dias. Por isso, ferramentas de combate e controle, como o Aedes em Foco, ajudam a eliminação de criadouros porque o checklist das Brigadas, realizado pelo menos uma vez por semana pelo cidadão, permite a limpeza de possíveis focos.

Os alertas emitidos pela população, através do aplicativo, informam automaticamente aos Órgãos Públicos os locais de riscos e de difícil acesso. Essa medida interrompe rapidamente a continuação do ciclo de vida do mosquito. Caso contrário, os ovos, podem resistir até a próxima quadra chuvosa, dificultando as ações de controle.

Cuidados básicos também são fundamentais para o controle das doenças causadas pelo mosquito: tampar caixas e tinas de água, desentupir ralos que acumulam água, cobrir pneus velhos e eliminar pratinhos com água embaixo dos vasos de planta. E ainda, vedar recipientes que possam acumular água da chuva com lonas e/ou telas. Após secar os locais que continham focos, deve-se jogar água quente e limpar com uma esponja para retirar todos os ovos do mosquito, pois eles ficam grudados em superfícies.